segunda-feira, 2 de maio de 2016

Teresa de Calcutá: Uma santa em saída!




 Na exortação apostólica «Evangelii Gaudium», o Papa Francisco insistiu na expressão de uma Igreja em saída, ou seja, de rosto missionário que não fique encarcerada por seus muros esperando por seus fiéis, mas que seja próxima, aberta, capaz de sair de si para ir ao encontro das pessoas, por caminhos novos. Esse modelo de Igreja fez-se ressoar na vida de madre Teresa de Calcutá de maneira sublime, ninguém melhor que ela para ser um modelo indicador do caminho pelo qual a Igreja em saída deve traçar.
 A Sagrada Escritura revela vários exemplos de chamados divinos que movimentaram de maneira intensa a vida dos escolhidos (Cf. Ex 3,1-15; Jr 1,4-10) conduzindo-os a uma radical tomada de decisão e consequentemente a uma adesão singular que acarrete uma mudança de seus costumes e hábitos, ou seja, uma conversão. Sabe-se que ao ouvir a voz amorosa de Deus ninguém permanece de modo estável e refratário, sendo que a única coisa que Deus propõe e espera de seus escolhidos é a confiança e o abandono total ao seu querer, sobretudo, diante das frustações e desertos (Cf. Is 12,2). O resultado da busca optada pelo escolhido será sempre uma aventura, a única coisa que sabe é que deve sair de seus próprios planos deixando-se guiar apenas por Deus (Cf Gn 12,1), pois parte da certeza de que sem Deus não há luz, não há esperança, não há amor e por isso nem mesmo o futuro.
 Provinda de uma família abastada, Agnes Gonxha Bojaxhiu, mais conhecida como Madre Teresa de Calcutá, logo entrou para um convento onde emitiu os votos religiosos e neste permaneceu até ouvir um chamado mais profundo da parte de Deus, chamado esse que moveu sua vida de forma muito concreta e significativa. Não podia continuar no conforto de seu convento e deixar Jesus que clamava “tenho sede”, representado nas pessoas pobres e moribundas de Calcutá. Impulsionada pelo amor de Cristo, o mesmo amor do qual São Paulo relata na II Cor 5,14: “O amor de Cristo no impulsiona”, sai de si mesma; transformando seu projeto pessoal de vida num doar-se inteiramente aos sofredores.
 Por amor acolheu a todos que dela se aproximavam, sejam hindus, muçulmanos ou cristãos tendo uma compaixão entranhável frente ao drama humano. Impulsionada pelo amor de Cristo não se deixou abater pelas dificuldades, mas soube ser fraterna, misericordiosa e humilde, nunca pagando o mal com o mal (Cf. 1Pd 3,8), continuou a fazer o bem para os menos favorecidos, sem temor, pois sabia que no fim das contas seria julgada pelo Amor (Cf. Mt 25, 31-46). Impulsionada e movida pela doação a Cristo, que incessantemente expressava a ela sua sede, construiu sua casa sobre a rocha e nunca realizou o seu trabalho, motivada por interesses.
 Madre Teresa, fez de sua Calcutá uma igreja em saída e assim pôde encontrar o seu Senhor nas pessoas menos favorecidas da sociedade, tanto que é perceptível em sua vida um viés de santidade que não apregoa uma fuga da realidade e nem mesmo um individualismo ou abandono real dos grandes problemas contemporâneos. Ela se santificou exatamente no exercício de seu apostolado, tendo seu coração ligado ao céu, e aqueles que por ela foram auxiliados viram em seu semblante o rosto misericordioso do Pai.
 Assim sendo, sua vida e seus conceitos se encarregaram de mostrar que estávamos diante de alguém que soube escolher a melhor parte (Cf. Lc 10, 42) e por isso, a Igreja reconheceu nela as virtudes necessárias para proclamá-la santa, palavra que significa “sancionados, eleitos, escolhidos”. Que sua vida nos leve a tomar consciência do verdadeiro espírito do cristianismo que não se deixa enclausurar por estruturas engessadas.


Everson L. Kloster

quarta-feira, 23 de março de 2016

Celebrar a Páscoa....

Saudações missionárias! Nesta semana santa e iniciando o tríduo pascal, expresso os desejos de que todos possam celebrar intensamente estes dias que nos conduzirão à RESSURREIÇÃO, celebrada no domingo de páscoa. Em minhas leituras realizadas nesta semana, achei interessante o texto abaixo, e por isso partilho na íntegra com todos que nos acompanham. Boa leitura e uma forte vivência pascal à todos nós!

SIMÃO PEDRO



Aquela noite de quinta-feira foi ocasião mais terrível de minha vida. Noite de minha vaidade e humilhação, de ódio e sofrimento. Como poderia esquecê-la?
De manhã, Jesus nos informou que desejava celebrar a Páscoa conosco naquele mesmo dia, por isso mandou que João e eu preparássemos a ceia (cf. Lc 22,7-12). Ninguém entendeu muito bem o porquê daquele pedido, já que a lei judaica estabelecia que a ceia deveria ser celebrada na véspera da Páscoa. Algo me dizia que aquela ia ser especial, talvez a última na companhia de Jesus.
Como não sabíamos em que local seria realizada a ceia, Jesus pediu que procurássemos um homem com um jarro sobre o ombro. Assim fizemos; após atravessarmos o arco de pedra do grande portal da cidade, detivemo-nos diante das primeiras casas do bairro baixo, onde o encontramos encostado à muralha. Ele parecia saber de tudo e nos conduziu a uma casa muito grande; logo começamos os preparativos. Além do cordeiro, providenciamos pão, figos, mel, azeitonas, ervas e vinho.
Jesus chegou ao anoitecer. Enquanto conversava animadamente com os donos da casa, nós entramos no local predeterminado. Imediatamente, percebemos que, à entrada da sala, havia muitas bacias com água. De acordo com a lei judaica, antes de os convidados se sentarem à mesa, os criados deveriam lavar-lhes os pés. Depois, os convivas lavavam as mãos. Todavia, na ocasião, como não havia serviçais, quem se encarregaria dessa tarefa? Devo confessar (humildemente e com muita vergonha) que tanto eu como os outros tivemos este pensamento: “Eu jamais me rebaixaria a ponto de lavar os pés dos demais, como se fosse um criado”.
Em silêncio, constrangidos, evitamos qualquer comentário sobre o assunto. Em seguida, cada um foi ocupar seu lugar à mesa. Quando apareceu à porta do cenáculo, Jesus olhou em direção aos lavatórios. Assegurando-se de que ainda não haviam sido utilizados, ele nos falou com muito carinho:
- Desejei ardentemente comer esta ceia pascal com vocês, antes de padecer. Portanto, eu declaro que não mais tornarei a comê-la, até que esta se realize no Reino de Deus (cf. Lc 22,15).
Nesse momento, Tadeu passou a servir o primeiro de quatro copos de vinho, enquanto Jesus observava tudo em silêncio. De acordo com a lei, uma vez esvaziado o primeiro copo, os comensais deviam se levantar e lavar as mãos. Como sabíamos que Jesus não gostava de formalidades, aguardamos com interesse o desenrolar dos fatos. Mas, diante da surpresa geral, ele se levantou e caminhou silenciosamente até as bacias de água. Então, ficamos olhando uns para os outros quando ele retirou o manto, amarrou um pano na cintura e, carregando uma bacia d’água, deu uma volta completa à mesa. Após parar onde eu estava, ajoelhou-se com grande humildade e mansidão e pôs-se a lavar meus pés (cf. Jo 13,5). À vista da cena, levantamo-nos simultaneamente, porque ficamos admirados ao perceber que ele havia arcado com o trabalho de um criado qualquer, recriminando assim nossa mútua falta de consideração e caridade.
Quando o vi ajoelhado diante de mim, meu coração se incendiou. Eu o amava acima de tudo e de todos. Ao vê-lo como um insignificante criado e disposto a fazer aquilo que nós havíamos recusado, compreendi meu erro e tentei dissuadi-lo da tarefa. Como não queria que se ajoelhasse na minha frente, protestei energicamente.
- Senhor – disse -, jamais vai me lavar os pés!
Após olhar-me amorosamente, ele respondeu:
- Pedro, embora não compreenda agora, vai entender o significado deste gesto mais tarde. Se eu não lavar seus pés, você não terá parte comigo.
Ao ouvir aquelas palavras, fiquei resignado. Então, não suportando seu olhar fixo e penetrante, falei:
- Então, Senhor, não me lave somente os pés, mas também as mãos e a cabeça.
Jesus respondeu:
- Quem tomou banho não precisa lavar senão os pés, pois está inteiramente limpo. Vocês também estão limpos, mas não todos.
Enquanto se fazia um silêncio geral, Jesus foi lavando os pés de cada um. Ao término da tarefa, vestiu a túnica e retomou seu lugar à mesa. Nesse instante, uma grande melancolia transpareceu em seu olhar, e ele nos informou que um de nós o trairia naquela noite (cf. Jo 13,21). Era Judas, que, ao ser desmascarado, se levantou da mesa e saiu pouco antes de ser servido o terceiro copo de vinho, o das bênçãos.
Eu tremia de indignação, e sentia que o sangue me martelava as têmporas. Trair o Mestre? Como ele pôde fazer isso? Mas Jesus apenas me olhou, e eu permaneci em meu lugar, como se fosse de pedra. Naquele momento, ele pegou o pão, partiu e o distribuiu, dizendo que era seu corpo, que seria oferecido na cruz por nós. Em seguida, fez o mesmo com o cálice de vinho, dizendo que era seu sangue, que seria derramado por nós. Lembrei-me de suas palavras na Galiléia:
- Eu sou o pão vivo, que veio do céu. Quem não comer da minha carne e não beber do meu sangue, não terá a vida (cf. Jo 6,35).
Naquela hora, quando disse aquelas palavras, seu conteúdo nos pareceu incompreensível. No entanto, na ceia, Jesus revelou que nos deixava sua carne e seu sangue na forma de pão e de vinho. Ao término da cerimônia, fez um longo discurso, que nos pareceu ser um testamento, o qual finalizou com palavras carregadas de muita emoção (cf. Jo 13, 33-38). Depois, rezamos salmos e cantamos hinos, e isso nos fez ficar mais emocionados. Em silêncio, ele ouvia, enquanto rezávamos e cantávamos com a voz embargada, naquela que seria a nossa última noite com o Mestre.
Era sua despedida, e nós não sabíamos disso. Dentro de algumas horas, ele seria preso, e a separação, definitiva. Ao final dos hinos, Jesus pediu que o acompanhássemos até o monte das Oliveiras para orarmos ao Pai Celestial a fim de que concedesse a força necessária para enfrentar com coragem os momentos difíceis. Então saímos e o seguimos ladeira acima. Como precaução, peguei um facão e o escondi sob as vestes, disposto a usá-lo se fosse necessário.
Enquanto caminhávamos, ele disse que nos deixaria sozinhos, e tive medo. Também revelou que, naquela noite, Satanás nos experimentaria. Mas eu agarrava firmemente o facão, sentindo-me seguro de mim mesmo. A certa altura, disse-lhe que, em sua companhia, iria até a prisão e a morte, se fosse preciso. Ele me olhou com tristeza e piedade e revelou que, ainda naquela noite, antes que o galo cantasse duas vezes, eu o negaria três vezes (cf. Mc 14,30).
Aquelas palavras me soaram como ofensa. Como ele podia duvidar de minha lealdade? Eu apertava o cabo do facão e me sentia como um leão, pronto a enfrentar qualquer eventualidade.
Após chegarmos ao monte das Oliveiras, Jesus pediu que rezássemos e vigiássemos; em seguida, ele se enveredou por entre as árvores. Banhados pela luz do luar, podia-se perceber que estava rezando. Em um dado momento, levantou os olhos para o céu e exclamou, com voz forte:
- Pai, se quiser, afaste de mim este cálice! Contudo, não se faça a minha vontade, mas a sua! (cf. Lc 22,42).
Cansados, deitamo-nos ali mesmo e dormimos. Então ele veio até nós e nos repreendeu, porque não fomos capazes de vigiar uma só hora com ele; logo após, pediu novamente que vigiássemos e rezássemos (cf. Mc 14,37-39). Mal havia se distanciado, e caímos em um sono profundo.
Então ele retornou e, compadecido de nosso cansaço, disse que podíamos continuar dormindo. De repente, ouvimos um grande barulho. Era judas, que chegava com um destacamento militar romano e com guardas do templo, enviados pelos fariseus, sumo sacerdotes, escribas e anciãos para prenderem Jesus (cf. Lc 22, 47).
Antes de prendê-lo, as elites de Jerusalém e as autoridades do templo haviam procurado desacreditá-lo diante do povo. Acusaram-no de ser samaritano, glutão, beberrão e amigo de pecadores, publicanos e prostitutas. Além disso, disseram que não praticava o jejum, que estava louco e era endemoninhado.
Quando vi aqueles mal-encarados com as mãos sobre Jesus, desembainhei meu facão e comecei a golpear às cegas. De uma só vez, arranquei a ponta da orelha direita de Malco, um dos servos de Caifás. Jesus virou-se para mim com uma postura recriminatória e me mandou jogar fora a arma.
- Quem com a espada fere com a espada morrerá – disse. Após olhar-nos, continuou: - Não compreende que é vontade de meu Pai que eu beba este cálice?
Enquanto isso, Malco retorcia-se de dor. Jesus, em um gesto humanitário, recolheu a ponta da orelha no chão e recolocou no lugar. Em questão de segundo, os gemidos diminuíram (cf. Jo 18, 10).
Após imobilizar Jesus com grossas cordas, o oficial dirigiu-se a seus homens, ordenando que prendessem também aquele “grupo de fanáicos”, segundo a própria expressão. Mas a patrulha não reagiu a tempo, e conseguimos fugir do local.
Depois, ele foi conduzido à casa do sumo sacerdote Caifás, a maior autoridade do templo. Triste e confuso, eu o seguia ao longe e permaneci no pátio. Em meu íntimo, pensava onde estaria minha valentia. Sentia-se fraco, cansado e com frio. No meio do local, ardia uma grande fogueira, da qual me aproximei, tiritando. Nesse instante, uma criada apontou em minha direção, dizendo:
- Este homem estava com ele! (cf. Jo 18,17)
Naquele momento, tive medo de ser preso. Eu, que acreditava ser forte e corajoso, temi uma simples empregada; então, respondi que não o conhecia. Ela se calou. Algum tempo depois, o frio havia penetrado em meus ossos, e a covardia invadia minha alma. Percebi que um homem me olhava fixamente e disse ter a impressão de que me conhecia também. Neguei de novo, ainda mais temeroso de ser descoberto.
Nesse ínterim, uma aurora cinzenta e triste se aproximava; assim estava minha alma. À primeira luz do dia, outro homem me fitou e, reconhecendo-me pelo sotaque galileu, disse:
- Na verdade, este homem estava com ele!
- Não! – retorqui com força.
Na mesma hora, o galo cantou (cf. Jo 18, 27). Ao ver que Jesus estava sendo conduzido ao Sinédrio, recordei-me de suas palavras. Como ele havia predito, eu o renegara três vezes. Eu, que acreditara ser forte e me gabara de ser corajoso, o tinha negado por fraqueza.
Corroído pelo remorso, saí do pátio e chorei, com muita amargura por ter renegado o meu Mestre e Senhor. As lágrimas escavavam sulcos de vergonha em meu rosto de discípulo infiel.
Aquela foi a ocasião mais terrível de minha vida. Noite de minha vaidade e humilhação, de ódio e pranto. Como poderei esquecê-la?


Fonte: SILVA, Raimundo Aristides da. A vida de Jesus narrada aos jovens. São Paulo: Paulinas, 2006, p. 65-72. – [coleção esperança jovem]







‘Tesão’ pelo Reino....

A primeira imagem que certamente nos remete a palavra “tesão”, conecta-se ao sexo (desejo, impulso sexual, excitação), porque assim passou a ser usado o termo na sociedade. Convém aqui explicar o seu emprego no presente texto e para isso toma-se como base a sua etimologia, segundo o dicionário Aurélio (1999, p. 1951), do latim tensione, “tensão”, significando “força, intensidade”. É neste sentido que se quer partilhar o tema trabalhado no I NOVINTER (Encontro de noviços das diversas congregações masculinas e femininas) promovido pela CRB-Regional Campinas, nos dias 06 a 11 de março de 2016, na Casa de Retiros “Siloé” (Mosteiro de São Bento), cidade de Vinhedo - SP.
O encontro teve como tema “Opção fundamental e afetividade”, assessorado pela Ir. Maria Aparecida Pieroni (Ir. Cidinha - Psicóloga). A chegada ao local foi no domingo a noite, marcada pelo jantar, acolhida, apresentação da dinâmica do encontro a ser vivenciada ao longo da semana, e a oração conduzida por nós, Xaverianos.

Na segunda-feira (07) e assim todos os dias, as atividades iniciaram com a missa as 7:00hs, seguida do café e logo após o desenvolvimento do tema no auditório. O primeiro dia foi momento de integração, conhecimento do outro, aproximação e formação de Grupos de Vivência a serem usadas ao longo do ano. Serão 5 encontros no decorrer de 2016 e o último acontecerá em outubro.
No segundo dia desenvolveu-se o tema, servindo dos diversos instrumentos: filmes, explanações, dinâmicas, grupos, plenária, etc. Foi um convite a olhar a própria caminhada, tomar consciência da etapa formativa que é o ‘noviciado’ (novidade de viver o seguimento de Jesus na Vida Religiosa Consagrada, como nos foi lembrado). Nessa busca, a opção fundamental da própria Vida Religiosa por Jesus Cristo e seu Reino, assim como a afetividade como dimensão da pessoa humana, necessita ser conhecida, cultivada, trabalhada, para que a consagração religiosa não seja uma fuga e possa de fato expressar a sua beleza profética no mundo.
Todo o trabalho desenvolvido recordou que nenhuma pessoa pode viver sua sexualidade por instinto, como vive um animal qualquer. É preciso um autoconhecimento como pessoa para incluir o próprio processo da opção vocacional, considerando que o seguimento de Jesus Cristo implica identificar-se (ser) com Ele e não apenas imitá-lo (fazer). Com base nesta identificação, o consagrado é chamado a canalizar todas as suas energias para a expansão e concretização do Reino na humanidade inteira.

Além da abordagem temática oportuna e atual, o encontro favoreceu a comunhão, a partilha, a amizade, e constituiu-se espaço de crescimento vocacional a todos os participantes. Que sejam encontros produtivos e alegres no decorrer do ano que apenas inicia seu ciclo! Boa caminhada a todos nós!

quinta-feira, 17 de março de 2016

ConVOCAÇÃO 2016!!!

A Comunidade do NOVICIADO realizou nos dias 05 e 06 de Março (Sábado e Domingo) o I CONVOCAÇÃO, encontro vocacional aberto aos jovens de 15 a 30 anos (masculino e feminino), na Paróquia São Guido Maria Conforti (Hortolândia - SP). Participaram cerca de 47 jovens, da própria paróquia e advindo das cidades próximas como, Piracicaba e Limeira. O encontro ocorreu na chácara xaveriana “Todos irmãos”, com a chegada dos participantes no sábado (05) as 8:00hs. Após o credenciamento, reuniram-se para o momento de acolhida, orientações, oração, onde se agradeceu a Deus pela resposta e abertura que cada jovem colocou para esses dias de vivência. Após isso, houve o café da manhã, espaço que serviu também para integração entre os presentes.
Acolhida e oração inicial com Evanderson e Ir. Catarina
Além dos xaverianos anfitriões, padres (Pe. Lucas, Pe. Alfiero, Pe. Giovane) e formandos (Evanderson, Everson, Geovanni, Gilberto, Giomar), estiveram colaborando e dinamizando o encontro os religiosos e religiosas: Ir. Catarina da Silva (Xaveriana); Ir. Aparecida Bianchini (Franciscana da Beata Angelina); Ir. Eleonor (Congregação São Paulo de Chartes); Ir. Isabel da Costa (Marykoll of Dominicanas); Pe. Thiago Rodrigues (Xaveriano, Curitiba-PR); Pe. Domênico Borrotti (Xaveriano, Superior Regional); Pe. Gabriel Guarnieri (Xaveriano, Coronel Fabriciano-MG). Também lideranças leigas da paróquia São Guido: o casal Geraldo e Lucelena; a leiga consagrada Cidinha.
Noviço Geovanni Castelli
O encontro abordou 4 eixos temáticos, procurando de maneira sistemática oferecer uma visão panorâmica sobre VOCAÇÃO:
1)- ‘Deus te chama pelo nome’- iluminada pelo texto bíblico de 1 Samuel 3, 1-19, destacou a vida como a primeira vocação, a família como lugar do cuidado desta vida e a responsabilidade na educação da fé realizada em comunidade. Enfatizou-se ainda o diálogo entre Quem chama (Deus) e Quem é chamado (Homem), os lugares onde Deus chama (que não é no extraordinário, mas na vivência do cotidiano) e a reação do vocacionado diante do chamado (o sentimento de incapacidade, o resistir em aceitar, o questionar-se sobre como ocorrerá tudo isso).
Noviço Giomar Henrique
2)- ‘Aquele que vos chamou é fiel’- meditação bíblica sobre a vocação, reconhecendo que é Deus o sujeito nesta relação, sendo Ele quem primeiro escolhe o ser humano. Reconhecer isso possibilita responder “Eis-me aqui, envia-me!” (Is 6, 8).
Noviço Everson Kloster falando sobre o tema

3)- ‘Projeto de Vida como instrumento no processo de discernimento vocacional’- refletiu sobre a importância de elencar os sonhos, as metas, identificando a realidade individual e a necessidade de dar passos para alcançar o ideal. O Projeto de Vida torna-se assim uma construção permanente, configurando-se na ferramenta que proporciona sintonizar o caminhar pessoal com os sonhos de Deus para a humanidade. Aqui a frase “qualquer coisa me serve”, não cabe.
Noviço Gilberto Santos conduzindo a reflexão com os jovens

4) ‘Onde Deus me chama?’- pinceladas sobre as vocações específicas na Igreja, enfatizando que cada uma possui sua importância e riqueza: Vocação à Vida Religiosa Consagrada; Vocação sacerdotal; Vocação matrimonial; Vocação leiga na Igreja. 
O casal Geraldo e Lucelena falando sobre a vocação matrimonial
           Concluiu-se o sábado com o terço vocacional missionário, seguida da Celebração Eucarística presidida pelo padre Thiago Rodrigues.


Pe. Thiago na Missa campal com os jovens 
          O domingo (06) iniciou com a Missa na Comunidade Nossa Senhora Auxiliadora, presidida pelo padre Alfiero e animado pelos participantes do encontro. Após, ofereceu-se o café da manhã, prosseguindo com os trabalhos em grupos. Para este momento, dividiu dois grupos: rapazes e moças. Aos jovens, os Xaverianos apresentaram o carisma da congregação, a história, e responderam as perguntas e curiosidades indagadas pelos mesmos. Com as jovens, as irmãs se reuniram e dinamizaram o encontro falando da especificidade de cada família religiosa e esclarecendo as perguntas suscitadas pelo grupo.

Momento penitencial junto a Cruz

No período da tarde foi momento de avaliar o encontro, fazer encaminhamentos para os que desejam iniciar um acompanhamento mais de perto e agradecer a presença e a disponibilidade de todos. Concluiu-se assim com a Celebração da luz as 17:00hs, enviando os jovens participantes para os seus respectivos ambientes e comunidades. Certamente os dias vivenciados em grupo foram espaços ricos da graça de Deus, que suscitou no coração de cada participante a luz do chamado. Que este despertar seja agora cultivado no dia-a-dia e que a resposta generosa e alegre seja em favor do Reino, na diversidade das vocações existentes na Igreja.

Encerramento do encontro

“Surisawa!” (Alegria!)

terça-feira, 1 de março de 2016

Convocação Hortolândia - SP

 Missionários Xaverianos de Hortolândia promovem Retiro de Discernimento Vocacional Missionário nos dias 05 e 06 de Março de 2016. Este Retiro é um semear, trata-se de conhecer a riqueza das vocações que são um presente de Deus. Estarão presentes Xaverianos, Xaverianas, Irmãs Franciscanas da Beata Angelina, Leigos Consagrados e Leigos casados que vão partilhar a beleza do Seguimento de Jesus na vocação específica. Desde já contamos com as vossas orações pelo Retiro e a Presença de você jovem (moça e rapaz) de 15 a 30 anos.

                       Evanderson Luiz, Noviço Xaveriano